Arquivo da categoria: Gerais

Dia Solidário da Maratona da Saúde realiza-se a 13 de abril

O Dia Solidário da Maratona da Saúde na RTP realiza-se na próxima sexta-feira, dia 13 de abril e contará com a presença da Alimenta, representada pela sua vice-presidente e nutricionista, Ana Lúcia Silva.  Esta maratona televisiva vai ser dedicada às Doenças Autoimunes e Alergias e será emitida, em direto, na RTP 1 e RTP Internacional, durante todo o dia.

Os donativos para esta causa poderão ser realizados através do número 760 20 60 90  (custo da chamada 0,60€+IVA) e através da Linha Altice Portugal/ Maratona da Saúde  (+351 213 246 270).

Todos os anos, a Maratona da Saúde atribui os Prémios Maratona da Saúde em Investigação Biomédica. Esta edição os donativos à Maratona da Saúde vão apoiar a investigação científica na área das Doenças Autoimunes e Alergias, em Portugal.

Junte-se à Maratona da Saúde e divulgue esta causa.

 

Comunicado a propósito do filme “Peter Rabbit”

Estreia esta quinta-feira, dia 29 de março, em Portugal o filme infantil “Peter Rabbit”.

A Alimenta – Associação Portuguesa de Alergias e Intolerâncias Alimentares alerta todos aqueles que sofram de alergias alimentares, seus pais, familiares e amigos, que uma das cenas do filme pode ser especialmente perturbante para crianças que sofram de alergias alimentares.

Isto porque o herói “Peter Rabbit”, sabendo que o “vilão”, Tom McGregor, é alérgico a amoras, tenta atingi-lo com esses frutos, conseguindo mesmo que uma das amoras entre na boca do vilão. Este começa a ter uma reação alérgica grave, com falta de ar, e tenta utilizar a sua caneta de adrenalina, o que acaba por conseguir, caindo para o lado de exaustão. Neste momento “Peter Rabbit” e os seus amigos celebram a sua “vitória”.

Ou seja, o “herói” da história, e figura na qual é suposto as crianças se reverem ou admirarem, propositadamente provoca uma reação alérgica grave a uma outra personagem que sabe ter uma alergia alimentar, celebrando ainda este seu comportamento que só pode ser caraterizado como “bullying”.

A Alimenta sugere a todos aqueles que pretendam ver o filme com crianças com alergias alimentares que previamente falem com eles sobre esta cena, sobre “bullying” e “piadas” feitas à custa de quem sofre de alergias alimentares (ou até que reequacionem a visualização do filme).

A Alimenta junta-se ainda às muitas vozes que, a nível mundial, condenaram e lamentaram a falta de sensibilidade dos responsáveis pelo filme (produzido pela Sony Pictures), realçando mais uma vez a importância de todos, enquanto comunidade, percebemos a necessidade de criar uma cada vez maior consciência coletiva para os riscos (muitas vezes fatais) que aqueles que sofrem alergias alimentares enfrentam.

Fazer piadas à custa de quem sofre de alergias alimentares e glorificar o “bullying” sobre estes, ainda para mais num filme infantil que será visto por crianças que sofrem desta doença, não é apenas cruel, é também encorajar a audiência a não levar a sério os riscos das alergias alimentares e a menosprezar os comportamentos que aumentam os riscos de quem sofre de alergias alimentares.

É certo, e reconhecemos, que a Sony Pictures emitiu um pedido de desculpa pela cena do filme, mas também é certo que o mesmo continua em cena, em Portugal e por todo o mundo, sendo apenas o mais recente exemplo de filmes ou séries televisivas que abordam de forma inaceitável, ligeira ou humorística as alergias alimentares. Tal tem de acabar.

Inscrições abertas para cursos de Alergia Alimentar na Escola e na Restauração

As inscrições para os cursos, em regime de e-learning, “Alergia Alimentar na Escola” e “Alergia Alimentar na Restauração” já se encontram abertas.

Ambos os cursos integram o Programa Alergia Alimentar da Comunidade, da Faculdade de Ciências da Nutrição e da Alimentação e da Faculdade de Medicina, da Universidade de Porto, que pretende consciencializar e formar o sector da educação e da restauração.

 

4.º Curso de Alergia Alimentar decorre em Abril

O 4.º Curso de Alergia Alimentar, uma pós-graduação da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, organizada em conjunto com a Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, o Centro Hospitalar de São João e a Coordenação do Internato de Medicina Geral e Familiar da Zona Norte, realizar-se-á no decorrer do mês de Abril.

A edição de 2017 funcionará em regime de formação à distância complementada com três sessões presenciais, que também serão transmitidas em direto para os participantes que não possam assistir presencialmente. O curso online decorrerá de 2 a 30 de Abril; as sessões presenciais irão decorrer nos dias 7, 21 e 28 de Abril, entre as 14h00 e as 18h00, na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

A Alimenta integrará o painel dedicado ao tema do Impacto da Alergia Alimentar na Comunidade, no dia 28 de Abril.

Canetas de adrenalina: esclarecimento do Infarmed

No seguimento da sinalização da Alimenta – Associação Portuguesa de Alergias e Intolerâncias Alimentares junto do Infarmed, relativamente à ruptura de stock da caneta de adrenalina da marca Anapen, a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde fez saber que:

“Face às características da patologia associada e à importância destes dispositivos como medida de primeiros-socorros enquanto é esperada assistência médica de emergência, no âmbito das atividades regulares do Infarmed na monitorização da utilização do medicamento em Portugal é dedicada especial atenção ao efetivo acesso dos doentes a estes medicamentos.

[…] Foi efetuada uma revisão adicional dos dados de utilização de autoinjetores de adrenalina. Com base nos últimos dados disponíveis, não se identificaram alterações significativas ao padrão de utilização destes medicamentos que corroborem dificuldades no acesso aos medicamentos. Os agentes responsáveis pela colocação dos medicamentos no mercado confirmam dificuldades pontuais relacionados com aumentos inesperados de procura, sanados num curto espaço de tempo, sem prejuízo dos doentes, porque é mantido um stock de emergência para fazer face a constrangimentos inesperados. Não obstante, continuaremos a monitorizar o mercado por forma a garantir o normal acesso aos medicamentos em causa, com a permanente disponibilidade para reanalisar a situação destes medicamentos de forma extraordinária sempre que tal se afigure necessário.”

Documento de Posição: A Interpretação de Testes de Alergia

O resultado de uma “task-force”, da Sociedade Europeia de Alergologia e Imunologia Clínica (EACCI), sobre a interpretação de testes de alergia foi recentemente publicado na revista científica “Allergy”.

Disponibilizamos um resumo, dirigido ao público em geral, traduzido pela Dr.ª Diana Silva, Imunoalergologista do Hospital de São João (Porto) e revisto pela Dr.ª Alexandra Santos, elemento da “task-force” e co-autora do artigo científico publicado na revista científica “Allergy”.

Documento de Posição: A Interpretação de Testes de Alergia

Alergia Alimentar: Abordagem Prática ao nível da Educação e Prevenção de Exposições Acidentais

Inês Pádua, doutoranda da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, é a primeira autora do artigo “Food Allergy: Practical Approach on Education and Accidental Exposure Prevention”, publicado na revista “European Annals of Allergy and Clinical Immunology”.

O artigo pretende ser uma abordagem prática ao nível da educação e prevenção das exposições acidentais, considerando actividades como comer fora de casa, ir às compras ou viajar. Está disponível em http://bit.ly/2cR3AZj.

Escolas vão ter leite sem lactose para crianças intolerantes

As escolas portuguesas vão passar a disponibilizar leite sem lactose às crianças do pré-escolar e do 1.º ciclo que sejam intolerantes àquele hidrato, de acordo com o Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), que entrou em vigor no dia 31 de Março.

O OE2016 traz uma alteração ao decreto-lei que define as medidas da ação social escolar, passando a prever as “necessidades alimentares das crianças que frequentam os estabelecimentos de educação pré-escolar e dos alunos do 1.º ciclo do ensino básico da rede pública”.

Para que as crianças passem a beber leite sem lactose, os encarregados de educação devem apresentar uma declaração médica “à direção do respetivo agrupamento de escolas ou escola não integrada, podendo fazê-lo em qualquer altura do ano letivo”.

Ben-u-ron Xarope – Esclarecimento

Face às dúvidas que surgiram sobre a possibilidade do medicamento Ben-u-ron Xarope poder provocar reacções alérgicas a quem sofra de alergia às proteínas do leite de vaca, a Alimenta contactou a Bene Farmacêutica, a qual informou que:

O componente “essência de natas” não é derivado do leite, nem contém lactoproteínas.

Não tem conhecimento de qualquer caso de reacção alérgica nos referidos casos, nem é expectável que isso possa acontecer.