Antes de ir

1170314_46560663

Planear atempadamente uma ida a um restaurante é muito importante para evitar problemas relacionados com as suas alergias ou intolerâncias alimentares.

Lembre-se também que só deverá ir a restaurantes que, após seguir os conselhos que aqui deixamos, lhe transmitam confiança na refeição que lhe vão servir e no modo de preparação da mesma, demonstrando conhecimento efetivo sobre o que são alergias ou intolerâncias alimentares e das exigências que tal impõem a um restaurante.

Na escolha do restaurante deve atender-se aos seguintes aspectos:

i) Procure sugestões de restaurantes junto do seu médico alergologista ou de outras pessoas que conheça que também tenham alergias ou intolerâncias alimentares e aproveite os seus conselhos relativos a experiências anteriores.

ii) Se o restaurante tiver página de internet onde o menu esteja disponível, avalie o mesmo em função das suas necessidades.

iii) Escolha um restaurante que se adapte melhor ao que pode comer. É melhor evitar escolhas mais arriscadas.

    • Buffets –  Dada a variedade de comidas próximas umas das outras, a possibilidade de consumir por engano um alimento ou de haver contaminação é elevada.
    • Padarias – Têm um elevado risco de contaminação, visto que muito dos produtos são feitos de alguns dos alergénios mais comuns.
    • Restaurantes que sirvam tipos de comida que usam alergénios em muitos pratos. Por exemplo, a cozinha asiática utiliza muito os amendoins e outros frutos de casca dura.
    • Gelatarias – a utilização da mesma colher para servir sabores diferentes aumenta o risco de contaminação, pelo que só deve comer em gelatarias que não só usem uma colher especifica para servir o seu gelado, como retirem o gelado de um recipiente (ou de uma zona do recipiente) de onde ainda não tenham retirado gelado.
    • Marisqueiras – se tiver alergia ou intolerância a marisco, deve evitar marisqueiras, uma vez que até o vapor do marisco cozinhado pode desencadear uma reação alérgica.
    • Restaurantes que sirvam comida pré-preparada – nestes estabelecimentos, os funcionários podem não ter uma lista precisa dos ingredientes das comidas pré-preparadas. Por outro lado, e como os pratos não são preparados na cozinha desde o início, pode não ser possível pedir ao chef para remover os ingredientes de um prato que de outro modo seria seguro.

iv) Tenha em conta as cadeias de restaurantes (especialmente quando viaja, seja dentro de Portugal ou para o estrangeiro), visto que não só os ingredientes e a preparação dos mesmos tende a ser idêntica nos vários restaurantes, como tem crescido a sensibilidade destas cadeias para as necessidades das pessoas alérgicas ou intolerantes. Não deve no entanto dispensar as regras de segurança que adopta noutros restaurantes, mesmo que já tenha frequentado algum restaurante da cadeia com resultados satisfatórios, pois mesmo dentro de uma cadeia cada restaurante pode ter protocolos diferentes para lidar com clientes com alergias ou intolerâncias alimentares. Se viajar para o estrangeiro e visitar alguma cadeia que exista em Portugal não deve também presumir que os ingredientes utilizadas sejam os mesmos que se utilizam em Portugal. Tente saber essa informação previamente e pergunte sempre no próprio restaurante.

v) Se a refeição que fizer fora for num evento com catering, como um casamento ou uma conferência, saiba qual a empresa responsável pelo catering, e entre em contato com eles, para perceber se costumam lidar com alergias ou intolerâncias alimentares e se podem adaptar o menu, pelo menos para si.

Escolhido o restaurante, deve ter em consideração algumas questões relativas à preparação da sua refeição antes de se deslocar ao restaurante:

  • Ligue para o restaurante e peça para falar com o gerente ou com o chef (é importante falar com alguém efetivamente responsável no restaurante, pelo que se nenhum estiver disponível no momento em que ligar, deve procurar saber qual a melhor hora para ligar). É preferível ligar nos períodos entre refeições, e não nos períodos mais atarefados, pois terá maior disponibilidade do gerente ou chef para as suas questões.

    • Tente perceber a disponibilidade para servir pessoas com alergias ou intolerâncias alimentares – Caso o restaurante demonstre essa disponibilidade, deve transmitir o máximo de informação possível sobre as suas alergias ou intolerâncias e  a lista dos alimentos que não pode comer. Assegure-se que o responsável do restaurante tem consciência da gravidade que uma reação alérgica pode ter.
    • Pergunte se o pessoal do restaurante tem formação específica sobre alergias alimentares e qual a regularidade da atualização de conhecimentos nessa área – É importante garantir que, mesmo que o próprio restaurante assegure formação aos seus empregados, essa formação já foi dada aos empregados mais recentes. É muito importante que quem lida com a sua refeição, seja na cozinha seja na sala, tenha formação e conhecimentos específicos.
    • Saiba se existem zonas específicas na cozinha para preparar dietas especiais – Se o restaurante tiver áreas específicas na cozinha para preparar as refeições de quem tenha ou opte por uma dieta especial, procure saber que comidas são preparadas nessa área, pois podem mesmo assim ser utilizados alimentos aos quais é alérgico.
    • Saiba se o restaurante utiliza tábuas e utensílios específicos para preparar a refeição de quem tenha alergias ou intolerâncias – A utilização de utensílios ou tábuas próprias para a preparação destas refeições é muito importante para evitar contaminações. Há, aliás, restaurantes que utilizam utensílios de cores próprias para preparar as refeições de quem tenha alergias ou intolerâncias alimentares, o que demonstra uma especial compreensão e sensibilidade para medidas de segurança que se devem adoptar nessas situações.
    • Pergunte se utilizam, na cozinha, produtos próprios para pessoas com alergias ou intolerâncias alimentares – O facto de o restaurante recorrer a produtos específicos para quem tenha alergias ou intolerâncias alimentares (como misturas específicas, leite de arroz, sobremesas de marcas que tenham preocupações na correta identificação dos seus produtos e possíveis contaminações, etc.) demonstra consciência sobre a questão das alergias e intolerâncias alimentares e vontade de servir clientes que tenham essas necessidades.
    • Perceba a possibilidade de consultar a etiqueta dos ingredientes – Lembre-se que o especialista sobre as suas alergias ou intolerâncias é você, não o restaurante, e um restaurante que está disponível para lhe mostrar os rótulos dos ingredientes que utiliza nas suas refeições demonstra compreensão para as suas necessidades e preocupações.
    • Se as respostas que teve do gerente ou chef com quem falou lhe parecerem satisfatórias, confirme que essa pessoa estará presente quando for ao restaurante ou que quem o substitui tem iguais conhecimentos e preocupações.
    • Depois de informar o gerente ou chef das suas alergias ou intolerâncias alimentares, pode igualmente informá-los daquilo que normalmente come quando vai a um restaurantes, de modo a servir de inspiração ao chef na preparação de um prato que se adapte às suas necessidades.
    • Pode igualmente discutir os preparativos para cozinhar, as técnicas utilizadas (salteados ou assados por ex. minimizam a utilização de utensílios ou equipamento partilhados com outros pratos), discutir a lista de ingredientes utilizados nos seus pratos para garantir que não há alérgenos “escondidos”. Definida a refeição, pode escrever a mesma num cartão que levará para o restaurante, para entregar no momento em que fizer o seu pedido.
  • Escolha efetuar a sua refeição num dia e numa hora em que a cozinha não esteja tão atarefada, sendo que a primeira hora de cada período de refeições é normalmente a melhor, pois o staff do restaurante está mais alerta e com maior capacidade de dar atenção à sua situação, e a cozinha está mais limpa, e portanto menos suscetível a contaminações.
  • Leve um cartão destinado ao chef, que liste as suas alergias ou intolerâncias alimentares e que relembre a necessidade de a sua comida ser preparada num área limpa e segura de modo a evitar contaminações.
  • Esteja sempre preparado, e independentemente de ter seguido todos conselhos e medidas de segurança ou do grau de confiança que tenha no restaurante, leve sempre para o restaurante a sua caneta de adrenalina e outra medicação adicional a que recorra no caso de um episódio alérgico.

Quer partilhar outros conselhos? Use os comentários desta página!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pesquisa

Destaques

Redes Sociais

LinkedIn Pinterest

FB Like Box