Identificada base genética da alergia ao amendoim

Segunda-feira 10th, Fevereiro 2014 / 00:46
Identificada base genética da alergia ao amendoim

Investigadores do Laboratório Nadeau, da Universidade de Standford, identificaram que pacientes alérgicos ao amendoim que foram submetidos a uma terapia de dessensibilização apresentavam diferentes níveis de metilação. Esta descoberta permite que estes níveis sejam utilizados para prever a eficácia destas terapias para cada paciente, de acordo com o seu código genético.

Esta descoberta surgiu no contexto de uma investigação sobre o efeito de terapias de dessensibilização em pacientes com alergia ao amendoim, estudo semelhante ao que noticiámos na semana passada. Após 24 meses em que foram administradas doses crescentes de amendoim aos vinte participantes deste estudo, sete participantes já não apresentavam reacção ao amendoim e foram considerados como tolerantes a este alimento pelos investigadores. Os restantes apenas apresentavam reacções alérgicas a doses maiores de amendoim. Os investigadores descobriram que o que distinguia os pacientes que se tornaram tolerantes era o seu código genético, nomeadamente os níveis de metilação associados às células responsáveis pela resposta imunitária.

Segundo os especialistas, a alergia ao amendoim é cada vez mais comum em crianças e pode passar por reacções severas que podem colocar em risco a vida. Tal como outras alergias alimentares, não existe nenhuma cura para esta alergia, existindo apenas terapias experimentais de dessensibilização que tentam amenizar os seus efeitos. A descoberta destes investigadores de Standford pode ser um contributo importante para compreender em que casos é que estas terapias podem ser mais eficazes.

Pode ler mais sobre este assunto aqui.

comments powered by Disqus

Destaques

Pesquisa

Redes Sociais

LinkedIn Pinterest

Siga a Alimenta no Facebook