Nova terapia promissora para a alergia ao amendoim

Sábado 01st, Fevereiro 2014 / 23:00
Nova terapia promissora para a alergia ao amendoim

Médicos do Hospital Addenbrookes, de Cambridge, desenvolveram uma nova terapia para crianças que sofrem com alergia ao amendoim e os seus resultados são promissores. Das 99 crianças alérgicas que participaram no estudo, mais de 80% consegue tolerar quantidades maiores de amendoim após 6 meses de terapia. Assim, estas crianças são agora capazes de tolerar quantidades que seriam potencialmente fatais antes do tratamento. O propósito desta terapia não é o de permitir que estas crianças possam comer amendoim, mas antes o evitar complicações graves de saúde, nomeadamente choques anafiláticos, no caso de ingestão acidental deste alimento.

Esta nova terapia consiste no consumo continuado de pequenas (mas crescentes) doses de amendoim por parte das crianças e demonstrou que se consegue aumentar a tolerância do corpo a este alimento. É importante frisar que esta terapia foi feita em ambiente controlado, no qual os pacientes eram monitorizados de perto por especialistas, e não deve ser tentada em casa.

Ainda demorará alguns anos até esta terapia ficar acessível para o público e são necessários testes adicionais para comprovar a sua eficácia. De qualquer forma, esta terapia pode significar o fim de um dos maiores medos daqueles que sofrem de alergia ao amendoim: o de ter a sua vida em risco por consumir inadvertidamente comida com pedaços deste alimento.

A alergia ao amendoim afecta uma em cada cinquenta crianças e cerca de 10 milhões de pessoas em tudo o mundo. Ao contrário de outras alergias, a alergia ao amendoim normalmente não desaparece na idade adulta, sendo a mais fatal das alergias alimentares, segundo os especialistas, e não existe nenhuma forma de a tratar que não seja o evitar o amendoim.

Pode ler mais sobre esta notícia aqui, em português, ou aqui e aqui, em inglês.

 

 

comments powered by Disqus

Destaques

Pesquisa

Redes Sociais

LinkedIn Pinterest

Siga a Alimenta no Facebook